Pessoal

Resumo de 2015, bem-vindo 2016.

Acredito que um dia a mais é, também e sempre, um aprendizado a mais, e que até mesmo dentro da rotina pequenos acontecimentos – detalhes, talvez – podem provocar uma revolução imensa dentro de nós. E o ano passado não fugiu à regra, pois foi de intenso aprendizado.

2015 foi um ano cheio de revoluções internas, marcado por uma rotina agitada e tranquila ao mesmo tempo, mas sempre alegre. Foi, também, marcado por fatos tristes e ruins, os quais ao menos contribuíram como combustível para essas micro revoluções.

2015 foi o ano que jogou na minha cara que devo ser menos permissiva com circunstâncias que não gosto, devo aprender a dizer mais nãos se quiser ter paz, pois caso contrário o acúmulo de angústia e irritação pode me levar para caminhos que não gostaria de trilhar. E, de outro lado, também jogou na minha cara que devo deixar de arrumar desculpas e de colocar meus desejos de lado – é preciso gastar energia para romper com a inércia e fazer o que realmente tenho vontade (como li uma vez por aí, quem quer arruma um jeito, quem não quer arruma uma desculpa).

2015 também foi o ano que me mostrou o ‘poder da rotina’ (pequenas mudanças de hábito que, pouco a pouco, transformam-nos completamente!) e que consolidou a noção de que cada coisa tem seu tempo certo de ser, ajudando a controlar minha ansiedade.

Por fim, o que esperar de 2016? Consolidar o que aprendi em 2015 (dizer mais nãos; procurar meios de realizar os meus sonhos e parar de arrumar desculpas para minha inércia; adequar e organizar minha rotina para realizar meus projetos) e ter mais paz e saúde. Espero que seja um ano com mais fatos marcantes bons do que ruins. É isso.